Estilo de vida sertanejo: das músicas às botas masculinas

0 Comments

Impossível falar de estilo de vida sertanejo sem falar de alguns objetos, roupas e botas masculinas. Primeiro de tudo, a viola. Herança dos portugueses, é elemento quase tão antigo quanto o próprio Brasil. Trazida pelos jesuítas, a viola tinha a função mágica de animar a vida dos primeiros desbravadores de nosso país. 

Ao longo dos séculos, a música tocada na viola foi se transformando até chegar noutra variação, mais próxima da que conhecemos hoje. Estamos falando da música caipira. 

A música caipira foi o sertanejo de ontem, remetia sempre à vida no campo. O termo caipira vem da palavra tupi kaa-pira, que significa cortador de mato. 

Também é impossível falar de estilo de vida sertanejo sem falar do rádio. Em tempos de Spotify – entre outros aplicativos de música em streaming – soa até engraçado. Todavia o rádio, na versão mais rudimentar que conhecemos, foi o grande responsável por disseminar a cultura caipira – ou cultura sertaneja. 

A primeira transmissão de rádio aconteceu em 1922, exatamente no ano em que o Brasil comemorou o Centenário da Independência. Foi na cidade do Rio de Janeiro que a empresa americana Westinghouse Electric instalou uma estação de 500 W. A antena ficava no Corcovado. 

Novidade disponível apenas para as elites – como sempre – teve, contudo, o primeiro passo dado rumo à democratização quando o decreto de 1/2/1932 autorizou a inclusão de comerciais nas programações. Foi a deixa perfeita para a cultura sertaneja se disseminar. 

Em 1936, os aparelhos de rádio já estavam nas lojas e podiam ser comprados pelas famílias. Um nome muito, muito importante para a história do sertanejo é Cornélio Pires. 

Nascido em Tietê, interior de São Paulo, Cornélio Pires foi o primeiro grande disseminador da cultura caipira, além de uma espécie de sistematizador dessa cultura, uma vez que escreveu sobre isso e atuou fortemente como agente cultural. 

Bom, pulamos alguns anos até que chegamos a mais recente e impactante memória que temos da vida sertaneja. Se você não conhece os nomes que vamos apresentar, certamente seus pais conhecem. 

Artistas como João Mineiro e Marciano, Milionário e José Rico e Chitãozinho e Xororó, nos anos 1980, principalmente, ditaram a forma como se sentia a vida, com suas canções românticas, repletas de versos de saudade: de um amor, de uma terra, de um ideal que talvez não pudesse se realizar. 

Foram esses mesmos artistas que começaram a mudar a forma de se vestir de quem mais gostava de suas canções. Ou seja, seus fãs. 

Hoje, quando se fala de música sertaneja, música caipira, neo-sertaneja ou mesmo country, temos um imenso imaginário de objetos, canções, símbolos, roupas, botas masculinas, rituais e festas. O que é o sertanejo sem as famosas festas de rodeio? E sem a figura mítica do cowboy? 

É na figura do cowboy que mora praticamente toda a moda country. Grosso modo, sua imagem diz sobre um homem de hábitos simples, cuja dignidade e coragem se sobrepõem aos maneirismos de uma vida refinada, seja das cidades ou das elites fazendeiras. Há nesse estilo de vida um apreço pela natureza, pela família, pelos amigos mais íntimos, com a religião oral. Não são poucas as canções sertanejas que são verdadeiras orações. 

As grandes mudanças das últimas décadas, não só na música como no próprio estilo de vida sertanejo, resumem-se na inserção desse modo de vida simples e rústico à vida urbana. No que tange ao Brasil, esse é, na verdade, o verdadeiro estilo sertanejo. O que isso quer dizer? 

Quer dizer que não é que o estilo de vida simples coexista com o urbano. Neste caso, seriam dois estilos mesclados. Não, não é isso. Hoje, o que vigora é o estilo urbano que se inspira no modo de vida caipira. Na prática, ninguém deixa de usufruir dos benefícios da modernidade. 

No que se refere à imagem, há vários elementos para considerar como parte do estilo de vida sertanejo. Nos anos 1982, eram os cabelos longos com franja, as camisas xadrezes, os coletes de couro, os chapéus e as botas. 

Hoje, a moda mudou, embora as calças ainda sejam coladas ao corpo, as botas no estilo country também continuam, além de outras variações de botas masculinas. 

Os artistas homens optam pelo corte de cabelo undercut, que dá um toque de modernidade; até porque o sertanejo de hoje é mesmo o tipo “universitário”. Ou seja, é urbano, jovem, vaidoso e, claro, sensual. 

Já as mulheres, continuam com suas botas sertanejas e roupas sensuais, embora às vezes não abram mão de vestidos longos de festa. O estilo de vida sertanejo nas cidades está diferente de sua origem, sim, mas isso é cultura. Constante transformação.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *